Seja bem-vindo (a) a sua Neverland virtual!

Aqui você encontrará tudo sobre o anjo e homem Michael Jackson e também poderá conhecer pessoas com os mesmos gostos que você. Irá conviver e aprender muito mais sobre este artista e ser humano maravilhoso que é Michael Jackson!

Faça parte da nossa família você também! Michael Jackson não é só um cantor e sim uma filosofia de vida!

------- Equipe Neverland -------

Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

[FINALIZADA] Lábios Vermelhos

Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 2 de 5]

26 Re: [FINALIZADA] Lábios Vermelhos em Ter Nov 22 2011, 11:55

Maria Cecília Bad


Super Fã Veterano
Super Fã Veterano
hummmmmmmmm que situação do Mike.

27 Re: [FINALIZADA] Lábios Vermelhos em Ter Nov 22 2011, 16:31

Nayara Mendes



Fã
Ai, tadinho do Mike. baby** Não fui com a cara da Hélène não sei por quê aushaushausahsahua tongue_out

28 Re: [FINALIZADA] Lábios Vermelhos em Sex Nov 25 2011, 10:50

lilianrocha


Fics
Fics
Façam como a Cat Jackson, mande a sua fic para o nosso concurso!!! As fics deverão ser postadas até 18/12, participem!!!!Very Happy

29 Re: [FINALIZADA] Lábios Vermelhos em Dom Nov 27 2011, 19:59

Mii

avatar
Fics
Fics
Comunicado!

Nosso Café Literário já tem uma nova autora esperando pelas perguntas de vocês!
Aproveitem e matem suas curiosidades!


Clique
Café Literário


Att, Equipe Neverland


_________________________
•Always Keep The Faith•

Michael • Marilyn Monroe • Ian Somerhalder
Sunshine, On In a Million

Let me stick my key in your ignition babe

30 Re: [FINALIZADA] Lábios Vermelhos em Sex Dez 02 2011, 12:27

Mii

avatar
Fics
Fics
Olá meninas,

Gostaria de convidá-las a participarem do nosso I Concurso de Fanfictions de Neverland!
Estamos ansiosas esperando a participação de todas! As histórias podem ser enviadas até o dia 18/12, domingo.
Conto com a participação de vocês!


*Para mais informações acessem:*

I Concurso de Fanfictions de Neverland


_________________________
•Always Keep The Faith•

Michael • Marilyn Monroe • Ian Somerhalder
Sunshine, On In a Million

Let me stick my key in your ignition babe

31 Re: [FINALIZADA] Lábios Vermelhos em Seg Dez 05 2011, 10:18

Mii

avatar
Fics
Fics
Meninas,

A nossa entrevistada da semana é a Lili Angel!
Convido vocês a fazerem suas perguntas para a nossa autora!



Outro recado...

Nosso concurso de Fics teve sua data adiada, para que vocês tenham mais tempo de escrever. Podem mandar suas histórias até o dia 15/01/12.


Clique
I Concurso de Fan Fictions de Neverland


Att, Equipe Neverland


_________________________
•Always Keep The Faith•

Michael • Marilyn Monroe • Ian Somerhalder
Sunshine, On In a Million

Let me stick my key in your ignition babe

32 Capítulo 6 em Ter Dez 06 2011, 09:27

MirellaOliveira

avatar
Super Fã
Super Fã
Capítulo 6



Ela ouviu o som do giro da maçaneta e logo em seguida o da porta ser aberta e fechada. Ficou atenta. Vinham passos.

- Mas que droga, Tracy, esteve sumida por três dias! – Reclamou Joey, que se aproximava. - Pensei que havia sido pega. Fiquei te esperando próximo ao aeroporto por horas!

- Está louco!?– sussurrou Tracy. – Fale baixo, a não ser que queria que me descubram. Encontraram a identidade falsa no porta-luvas – ela se esforçava para se sentar, soltando leves gemidos de dor.

Joey estudou Tracy por um momento.

- Soube o que aconteceu. Você está péssima!

- Você poderia tentar ser mais simpático, não? Dizer “lamento pelo aconteceu, você algum dia voltará a ver”. Não precisava me dizer isso.

Pausa.

- Trouxe o que pedi? – perguntou, sabendo onde Joey estava somente pelo som da voz.

- Claro – e ele retirou uma muda de roupa e um óculos escuro. – Não acha melhor ficar por mais uns dias por aqui e...

- Só se eu quisesse muito ser presa – sarcástica. - Vamos, ande, me ajuda aqui – e ela moveu as pernas para fora da cama, com dificuldade, gesticulando dor, apenas para não gritar.

Joey, de estatura média, transpassou seu braço por Tracy, ajudando-a a se levantar. Ele possuía uma pele de cor indígena, cabelos pretos que davam a sensação de serem pegajosos, como se não os lavassem há um tempo. Suas roupas se resumiam em camisa com jaqueta de couro velho e calça jeans, fazendo conjunto com os tênis surrados. Possuía uma mente excepcional.

- Certo – Tracy arfava, depois que se encontrou em pé. O corpo pulsava em dor. – Preciso que me ajude a trocar de roupa. Antes, veja se vem alguém no corredor e tranque a porta se estiver vazio.

Ele o fez. Trancou. Quando se voltou, encontrou Tracy desatando o nó de seu avental.

- Joey?

Nada.

- Joey, ainda está ai?

Ele sacudiu a cabeça, como se saísse de algum transe. Tracy continuava exuberante, mesmo com algumas roxidões distribuídas pelo seu corpo sensacional. Seu rosto tornava-se sensualmente juvenil pelos seus lábios pequenos e vermelhos, em formato de maçã, formando uma simpática combinação aos seus olhos grandes de cor azeitonada com cílios longos. Fios compridos e castanhos claros davam fim à descrição de sua beleza.

- Joey, venha me ajudar!

E enquanto ele a ajudava a se vestir, Tracy sentia os olhos dele sobre seu corpo.

- Está ótimo – e o empurrou. - Deixe que eu termino – e abotoou sua calça de um jeans escuro. – Me dê os óculos.

E estava pronta. Joey já sabia como fariam para sair despercebidos. Um automóvel os aguardava ali próximo.

Tracy gargalhava alto enquanto o carro rumava para a casa de Joey.

- Como são uns imbecis! É capaz de um cadáver atravessar aquela recepção e dizer oi aos seguranças que eles nem vão se dar conta! Você foi ótimo, Joey.

E ele tirou o cigarro da boca, e sorriu malandro.

- Sei disso.

Alguém estava no volante, e Tracy não conhecia a voz. O automóvel parou e as portas se abriram. Joey a ajudou a levar para dentro de casa – dois cômodos de móveis rústicos e de paredes mofadas localizada aos arredores de Brooklyn.

- Quando precisar, Joey! – E o homenzarrão bateu a porta com o maço de notas altas numa mão.



- Quem era esse, Joey? – inquiriu Tracy, curiosa, e tentando se situar. Tateou as paredes e alguns móveis, até encontrar o sofá surrado.

- Um amigo – pausa. – Eu já volto, vou comprar algumas coisas para nós. A geladeira está vazia.

Quando já estava alcançando a porta, ouviu Tracy chamar e virou-se.

- Preciso de tinta para cabelo. Me traga uma escura – pediu ela.

- Certo – e Joey tornou a se virar, com o cigarro no canto da boca, e somando algumas notas que estavam em sua carteira.

Depois, escutou apenas o bater da porta. E aproveitando que ninguém estava por perto, permitiu que o choro lhe subisse aos olhos, devagar, até que viessem como uma torrente de lágrimas. A polícia logo estaria atrás dela, ligariam os fatos. Precisava se disfarçar. O que havia feito de sua vida?

Levou os delicados dedos até as pálpebras... queria enxergar... Como seria de agora em diante? Sentia medo. O que havia acontecido?

E então, a resposta era inevitável: Kenny Nolan. Kenny Nolan era o que havia acontecido em sua vida.

Tracy não conseguira dormir naquela noite. Seus pensamentos estavam altivos demais para isso. Seus sentimentos estavam à flor da pele. Levantando-se do catre que Joey lhe cedera, caminhou devagar, tateando as paredes e móveis até encontrar a pequena cômoda onde sabia que ali se guardava um cego estilete. Abriu a gaveta, e com os dedos acariciava os objetos, prestando atenção as suas formas e texturas. Seus dedos precisariam ganhar mais sensibilidade, assim como seus ouvidos, ressoava insistentemente em sua mente.

De manhã, quando Joey foi levar o café à Tracy, deparou-se com rastros de cabelos pela casa, e por fim, uma Tracy de cabelos repicados adormecida em seu sofá.

33 Capítulo 7 em Ter Dez 06 2011, 09:28

MirellaOliveira

avatar
Super Fã
Super Fã
Capítulo 7



Tudo havia mudado para Constance desde que se descobriu como a única filha dos Miller. Possuía o carinho que Derek recebia e o orgulho que seus pais mantinham por Paige. Nada poderia estar melhor.

Não. Mas é claro que poderia, e estaria!, Constance soltou uma risada longa e ruidosa. Nada conseguiria estragar seu jantar de hoje à noite.

Se deliciava em deitar sobre a cama de sua irmã e vestir algumas das roupas que ela havia deixado para trás quando fugiu, assim como Derek. Era como se fosse ela. Sentia-se enfim amada e reconhecida por sua família. E com Paige distante, ela não precisaria se preocupar com os olhares atravessados de seus pretendentes para a sua irmã, como já acontecera algumas vezes.

A primeira vez ocorrera num baile, onde o aniversariante era o filho mais velho do ex-senador da cidade, amigo de seu pai, John, e que sua mãe lhe apresentava com todo o vigor:

- Esse é Paul, minha querida Constance.

Constance sorrira, e quando se aproximara para cumprimentá-lo, sentiu um puxão que a levara para trás. Era Paige.

- Connie, Connie – gostava de a chamar assim. – Já viu o maravilhoso jardim que há logo ali e...

Paul reparara na sublime beleza que ali estava, e perguntou gracioso:

- E a senhorita, possui algum nome? – um sorriso insinuante nos lábios.

- Oh, me desculpe – disse Marie ainda tentando se situar a inesperada situação. – Essa é minha filha, Paige, irmã mais nova de Constance.

- Prazer – e Paul lhe tomara a mão para um beijo.

E estava tudo acabado.



Partida de Tênis. Ela nunca conseguiria esquecer. Era um domingo de sol quando seus pais convidaram alguns amigos para uma partida de tênis num clube próximo de casa. Todos estavam animados para extenso domingo que se seguiria.

Paige e Constance rumaram para o vestiário colocar as saias rodadas e a meia que subia até próximo aos joelhos. Prenderam os cabelos num jeitoso rabo-de-cavalo e foram buscar suas raquetes.

Ficaram sentadas enquanto observavam Derek e seu pai jogarem, depois, Derek e o Sr. Cooper com suas desajeitas jogadas, até que viera Anthoni, filho de Cooper. Um rapaz na casa dos 20 anos, estatura média e cabelos escuros feito os olhos. E antes que Paige pudesse vê-lo, notou que sua raquete não era a que costumava usar nesses freqüentes encontros familiares. Correra para trocar.

Reparando que somente Derek se divertia, Anthoni propôs que ele deixasse espaço para Constance, a que vira sentada no banco. Ela se levantou, ansiosa enquanto Derek a chamava, se aproximando e vendo Anthoni sorrir maravilhado para ela. E então...

- Pensei que não fosse me deixar jogar, Derek! – Exclamou Paige animada, entrando correndo na quadra. Agitando seus compridos cabelos no ar.

- Paige! – Dissera Anthoni, jovial. – Por um momento pensei que não tivesse vindo.

- Não – respondera suavemente. - Estava logo ali com Constance e... – Paige olhara para o banco. Constance não estava mais lá.

Estava novamente acabado.

Mais tarde, quando os funcionários fizeram a limpeza dos vestiários, encontraram uma raquete retorcida enfiada na privada.

A terceira vez viera numa tarde em que sua mãe anunciara:

- Quero que esteja deslumbrante, querida.

E então ela soube.

Passara o resto da tarde a procura do que se vestir, demorou-se no banho e na maquiagem. Alguém lhe batera a porta.

- Entre.

Ela viera sorridente.

- Trouxe algo para você.

Paige.

- Vai ficar maravilhoso em você, Connie.

E realmente ficou. O vestido caíra como uma luva.

Se Paige não existisse, poder-se-ia dizer que Constance era a perfeição.

Com exceção de sua irmã caçula, todos estavam reunidos à mesa muito bem ordenada com seus pratos e talheres dos mais variados tamanhos ao lado, complementados com a requintada toalha de mesa branca com pequeninos rendados na borda.

Constance estava magnífica, e trocava fugazes olhares com Smith Evans: alto, atlético, louro, olhos escuros, e de boa família americana, como já era esperado. Mas então, todo o encantamento findou-se quando Paige Miller sentou-se a mesa com seus delicados gestos e sorriso arrebatador, fazendo seus pais encherem os pulmões, Constance quebrar a taça de vidro na mão, e Smith Evans delirar com sua formosura.

- Perdoem-me pela demora. Estava terminando de me arrumar.

Estava terminando de me arrumar, repetia Constance irritada, no banheiro, limpando a mão ensanguentada e reparando nas sinuosas linhas de água avermelhada sendo sugadas pelo ralo da pia.

E mais uma vez estava acabado. Constance odiou-a, e precisava fazer algo.

A solução caíra dos céus.

Paige adorava estar em casa, mas de repente passou a ter saídas mais freqüentes, chegando algumas vezes tarde da noite, e todos perceberam isso. Lhe perguntavam o motivo, e ela dizia:

- É a faculdade, oras. Trabalho em grupo. É tanta coisa que é preciso correr para fazer. Não posso terminar o semestre em vermelho, não é mesmo?

Desculpa. E Constance sabia disso, e descobriria o que estava acontecendo.

Numa tarde, aproveitando que sua irmã havia sumido para os seus encontros desconhecidos, fora até seu quarto atrás de algo que a fizesse desvendar a charada. Por fim, encontrara um bilhete comprometedor, onde ela dizia claramente estar apaixonada e explicava o quanto sua família seria contra a um relacionamento com qualquer outra pessoa que não fosse de seu intento. E aquele não foi o único, havia outros, alguns longíssimos e apaixonados, de uma caligrafia não tão jeitosa quando a de Paige, e assinados com o intrigante MJ.

Certo dia, Constance encontrara Paige lendo um desses bilhetes, e comentara:

- Se o ama, então vá até ele.

Paige se assustou, lançando-lhe um olhar confuso logo após. Era impossível acreditar que Constance dissera aquilo.

- O que disse?

Constance sorriu, jovial, se aproximando da querida irmã.

- Disse que deve ir onde você sinta que está o amor.

Paige encarou-a.

- Andou mexendo em minhas coisas?

- Isso não importa.

Depois de uma exaustiva conversa com Connie, Paige decidira que ela estava certa, e que seguiria seus sentimentos, viveria o seu amor, como gostava de dizer. Abraçou-a com toda a ternura, dizendo:

- Você é a melhor irmã que alguém possa ter. Sou uma garota de sorte. Obrigada, Connie.

Uma tola apaixonada.

Constance nunca soube quem assinava o intrigante MJ. Mas também, o que importava se a pirralha logo estaria fora de casa?

Ao terminar de pentear seus cabelos cor de mel, passou mais uma camada de seu batom Guerlain, e então foi ao encontro da esperada noite.

No jantar, enquanto sua família e rapaz se entretinham em conversas, a campanhia tocou, e minutos após, Constance deixara o talher cair de sua mão.

Era Paige.

34 Capítulo 8 em Ter Dez 06 2011, 09:30

MirellaOliveira

avatar
Super Fã
Super Fã
Capítulo 8



Era numa sala acinzentada onde ocorriam os interrogatórios, mobiliada somente por uma mesa de ferro compacta que separavam duas cadeiras. Jill estava em uma, e a gorda com duas rodelas de suor abaixo dos braços, em outra. Rente a porta estava um oficial, sóbrio com suas roupas escuras e rosto rígido. Atrás da hermética janela de vidro a prova de balas, se encontrava Steven, que observava Jill se levantar, abrir a porta e caminhar até, enfurecida:

- Nada – e apoiou as mãos na cintura ao encarar Steven. – Você colocou alguma coisa no meu café naquela manhã, não foi?

Steven franziu o cenho.

- O que quer dizer?

- Que eu só poderia estar drogada para aceitar trabalhar com você nesse caso – virou-se, deu alguns passos e tornou a fitar Steven. – Em uma semana não obtemos uma informação realmente válida. Isso está tedioso – esbravejou. - Quantos ainda faltam interrogar?

Steven tornou a olhar para dentro da sala, reparando na figura corpulenta que estava sentada, suando e comprimindo sua pequena bolsa contra o corpo.

- Apenas uma – respondeu ele de repente, olhando para Jill. – Alexia Saymors.

- Ótimo. Peça para que entre e acabemos logo com isso.

- Ela não está. O agente Brian já tentou entrar em contato diversas vezes, mas todas mal sucedidas – Steven tirou um pedaço de papel amassado de seu bolso e exibiu-o entre os dedos. – O endereço dela.

- Maravilha. Vamos até lá.

- Esqueça, é um terreno baldio. Estive lá essa manhã assim que soube que ela não retornou ao trabalho depois do incidente. Mas sei como podemos obter uma descrição de Alexia, e com isso, até encontrá-la.



- De acordo com o registro da contratação de Alexia Saymors no Edifício Residencial Rockfeller – dizia o agente Carl: pele clara; 1.68m; olhos castanhos; cabelos também castanhos; americana nascida em Michigan em 24 de Abril de 1982; 26 anos. Contratada para serviços de higienização – pausa -, em 12 de maio deste ano.

Jill e Steven permaneciam atentos a tela do computador.

- Possui algumas referências – e terminara Carl.

- Certo – falou Steven se afastando um pouco. – Quero uma cópia dessas referências e... Jill – virou-se para ela - gostaria que fôssemos revistar o apartamento dos Nolan, mais uma vez.

- Está bem. Ah, Carl, ligue para Claire Nolan e diga que preciso interrogá-la novamente. Marque para amanhã.

- Sem problema.

- Obrigado, Carl – e Steven pousou sua mão no ombro de Carl. – Foi de grande ajuda.

A câmera de Jill espocou sobre os pedaços de vidro do vaso, localizado sobre a mesinha ao lado do sofá de couro legítimo da requintada sala de estar decorada com um inestimável tapete artesanal persa, dos Nolan.

O apartamento ficava dois andares abaixo do terraço, o que ainda proporcionava a seus moradores uma pomposa vista da movimentada Quinta Avenida e seus arredores.

Steven vinha da suíte quando Jill encontrou um fragmento de bala entre os cacos do vaso.

- O que tem aí? – inquiriu ele se aproximando.

Segurando entre os dedos o fragmento, Jill estudou-o rapidamente e então o guardou num saquinho plástico.

- Provavelmente uma bala de milímetro 22. Parece que alguém errou uma vez ao tentar atingir o Sr. Nolan, para a sorte dele... – e olhou para o que Steven carregava. – E o que você encontrou?

- Uma coleção de pulseiras fosforescentes, que estava dentro de uma caixa de sapatos enfiado no fundo do guarda-roupa.

- Hum, deixe-me ver – pausa. – Clubes de strip costumam distribuir isso aos Vips.

- Exatamente. E veja isso – mostrou um cartão.

A face de Jill se iluminou.

- Parece que o Sr. Nolan se interessava em relacionamentos extraconjugais. Vamos para lá essa noite.



No Bellavue Hospital Center, um enfermeiro de plantão anunciou:

- Doutor, a polícia está em seu aguardo na recepção.

Dr. Brandon que terminara de verificar a dose de soro de seu idoso paciente, perguntou:

- Por acaso disseram o que se trata?

- Não, doutor.

Brandon pendurou o estetoscópio no pescoço e ajeitou a gola de seu avental.

- Certo. Quero que fique com o Sr. Claurs até que eu volte.



- Polícia de Nova York. Brian Klins – se apresentou com o distintivo, carrancudo, baixo e levemente acima do peso.

- Sim, e no que posso ser útil?

- Gostaria de ter uns minutos com a paciente que se encontra em recuperação, Alexia Saymors. Soube que está responsável por ela.

- Lamento, mas ela não se encontra mais em internação.

Merda.

- Então preciso de uns minutos com você, doutor.

Era uma casa movimentada, com músicas dançantes e pouca iluminação mesmo com as luzes matizadas e piscantes. Belas garçonetes modelavam exibindo seus corpos e distribuindo bebidas, homens rodeados por três, quatro, ou até cinco mulheres dependendo do quanto de dinheiro tivessem na carteira.

Jill e Steven foram até o bar e sentaram-se. Jill não se sentia muito confortável naquele ambiente, e para aliviar a tensão, terminou pedindo uma bebida. Uma mulher de seios fartos que saltavam de seu cavo decote lhe entregou o copo enquanto se mexia ao som da música eletrônica, recheou o copo de Martini. Jill tomou num único gole.

- Certo, Steven. Vamos logo com isso.

Steven chamou a mesma garçonete que atendera Jill, perguntando sobre o dono da casa.

- Não, querido – dizia ela com um cigarro entre os dedos. – O chefe não se encontra hoje.

- Tudo bem. Mas pode me dizer que já viu esse homem por aqui? – e mostrou uma foto de Kenny Nolan, louro, ombros largos, sorriso cativante, olhos brilhantes.

Ela sorriu.

- Quem nunca viu o Ken por aqui?

Ken? , perguntou-se Jill impressionada com a proximidade.

- Ele é o chefe, querida.

A garçonete tomou a foto e olhou com mais atenção.

- Ken é quem banca tudo isso aqui, paga as funcionárias. Costuma vir todos as noites, e todas adoram ele – ela devolveu a fotografia. – Soube o que houve... uma pena, não? – deu uma tragada e deixou a fumaça escapar.

Steven guardou a foto.

- Sim, uma pena. Sabe se ele mantinha algum relacionamento... ?

O riso da morena cortou o ar, que chegou a sacudir os seios de tamanha agitação.

- Está brincando, não está? – perguntou enfim.

- Não. Não tenho tempo para isso – e ele se apoiou na bancada, se aproximando insinuantemente dela. Steven era considerado um homem bonito para os seus quase 40 anos, e ele sabia disso.

- Certo – e ela se deu de costas, se afastando com seu cigarro nos lábios extremamente vermelhos.

- Polícia de Nova York...– e ele leu a tatuagem colorida em sua perna: - Sara?

Ela se voltou, meio irritada:

- Droga – e também se apoiou na bancada, deixando seu rosto bem perto do dele. – Sara é minha parceira, querido. Sou Lise. - Falou insinuante: - O que quer saber, hem?

- Me responda sobre Ken... – e Jill os afastou, irritada com aquilo.

- Kenny Nolan teve ou não algum relacionamento...

- Com todas, meu bem – respondera Lise interrompendo Jill em sua pergunta. – Não houve uma em que ele tenha deixado passar despercebido – e sorriu. – Claro, somente eu e... Oh! Sim, claro, como pude esquecer!? – Ela se voltou para ambos. – Tracy Gummer, ela trabalha aqui como garçonete. Mas nunca soube muito bem o que acontecia entre eles... ela parecia resistir a Ken.

- E onde está Tracy? – inquiriu Steven, impaciente.

Lise hesitou.

- Ela não vem há uma semana, mais ou menos.

- Pode me dizer onde podemos encontrá-la?

- Claro – e anotou alguma coisa num bloquinho de papel que pegou debaixo da bancada. Entregou-o.

O celular de Jill chamou, e ela se afastou. Ao voltar, estava pálida.

- O agente Brian quer nos encontrar – e foi tudo.

35 Capítulo 9 em Ter Dez 06 2011, 09:32

MirellaOliveira

avatar
Super Fã
Super Fã
Capítulo 9



As crianças saltaram do carro logo após seus avós, Joseph e Katherine, entrando apressados em casa, encontrando seu pai na sala de estar, ao lado da fumegante lareira apreciando uma leitura de fim de tarde. Michael sorriu ao vê-los.

- Por Deus! Por que não me avisaram que voltariam hoje? Eu teria ido buscá-los! – E abraçou cada um de seus três filhos, retirando logo depois a mochila das costas de Blanket, o caçula, que saltou em seu colo.

- Queríamos te poupar o trabalho, pai – falou Prince, o mais velho, deixando-se despencar na confortável poltrona. Sentia pavor só de pensar no alvoroço que a simples aparição de seu pai poderia causar.

- E como foi na casa de seus avós? – perguntou Michael, curioso.

- Foi legal... – respondeu Paris, vaga, desamarrando seus louros cabelos. – E onde está Paige?

Paris a adorava.

- Hum, parece que as coisas andam bem por aqui – a voz de Joseph ecoou na sala, e ele sentou-se afavelmente. Katherine vinha logo atrás.

- E como estão você e Paige com a aproximação do casamento? – inquiriu Katherine a Michael. – Deveríamos providenciar um almoço. Gostaria tanto de conhecer a família dela.

Michael voltou o olhar aos seus filhos, que então souberam. Quando saíram, ele respondeu a sua mãe:

- Não terá casamento.



Hélène penteava os cabelos de Paris, deslizando habilmente a escova até as pontas pouco onduladas.

- Está linda, Párri.

Ela sentou-se de lado na cadeira lançando um olhar curioso à Hélène.

- Aconteceu alguma coisa enquanto estivemos na casa da avó Kathe? – perguntou enfim.

Houve uma pausa.

- Querrida, acho qui devia perrguntar’ isse a sua pa’, non?

- Já tenho 10 anos e acho que poderiam me tratar como tal! – reclamou voltando-se em frente ao espelho, prestando atenção a sua expressão emburrada com biquinho e testa franzida.

- Órra, meu bem – Hélène começou a juntar os cabelos de Paris, separando-o em três partes e logo as entrelaçando formando rapidamente uma trança. – Mas é tratada como tarl’, si’? Ainda é una crriança!

- Não sou, não!

Sentindo seus fios de ouro manipulados por Hélène, Paris reparou no reflexo dela no espelho. Os olhos baixos, o cabelo puxado... Tinha traços jeitosos, típico de uma francesa. Pele viçosa, lábios finos e levemente rosados, assim como os malares sobressalentes de seu rosto. Era pequena, mas de uma graça só. Seu sotaque forte lhe revelava sua origem de Saint- Étienne, uma cidade localizada no centro-oeste da França. Nunca se dera conta do quão bonita era. Gostava muito dela também.

- Hélène... – dissera Paris virando-se de repente.

- Si’?

- Quero que se sente. É a sua vez.

No jantar, junto aos demais empregados, Hélène começou a servir a família, todos já distribuídos pela mesa. Joseph que era servido por ela, percebera a beleza singular da empregada, e antes que fizesse qualquer comentário, Michael o interveio:

- Está tão bonita essa noite, Hélène.

Ela corou.

- Obrrigada, monsieur. Mas dê os mérritos a su filha.

Paris sorriu.

- Sim, papai. O penteado ficou lindo em Hélène, não foi?

Michael assentiu antes de se servir de um gole de vinho.

Os cabelos soltos e levemente volumosos mostravam outra Hélène. Uma mulher, com seus desejos, medos e amores, não somente uma empregada. E foi assim que ela se sentiu.

Depois, ela se afastou da mesa com um sorriso de aeromoça, deslizando as mãos pelo avental que lhe cobriam a frente do vestido, e voltou à cozinha, deixando no ar um intrigante sorriso a Michael, tímido, mas ainda assim com alguma mescla interessante.

Tinha falta de um clima tão aconchegante como o familiar. E vendo-os ali, sorrindo, conversando, trocando gestos de afeto lhe despertavam sensações remotas–talvez porque sua família havia ficado em Saint-Étienne, e isso já se fazia alguns anos. Imaginava-se por um breve instante naquela mesa, não como uma criada ou amiga, mas como parte deles. Queria estar entre eles. Rir com eles e não sorrir somente para ser gentil. Precisava disso. Necessitava.

E foi mais tarde quando a casa havia se recolhido para o sono, que um de seus habitantes se mantinha de olhos despertos, e ela experimentava mais uma vez os brincos perolados de Paige, tendo a sensação que sua beleza lhe emoldurava o corpo de alguma forma.

Quatro anos haviam se passado desde que deixara seus pais e viera aos Estados Unidos, com a promessa de um sonho americano. E por alguma epifania divina, passara quatro anos desde a primeira vez que pisara nessa casa, e o mesmo período que restringia para si o segredo. Sufocando-o dentro de si. Sabia desde o começo que era inatingível, feito um amor platônico. Ainda era tão nova...

Quantas vezes já fizera as malas inutilmente com o intuito de voltar e terminar por desfazê-las? Não poderia tocá-lo, mas também não conseguiria deixá-lo. Quatro anos que tentava ir embora e aquele algo que sufocava lhe mantinha ali.

Talvez... talvez sí eu fosse com’ Paige, el’ pudesse olharr parra mim. Talvez.

36 Capítulo 10 em Ter Dez 06 2011, 09:33

MirellaOliveira

avatar
Super Fã
Super Fã
Capítulo 10

- Deus, como você é desprezível, Terry. Eu nunca poderia imaginar.

- É o que normalmente as pessoas acham de quem é sincero, querida.

- Como consegue ser tão fútil? – Paige sentia suas narinas tiritarem de fúria. – Não deveria ter dito àquilo a Michael, não era verdade, eu já lhe disse. Ele não merecia isso.

Ela ouviu a risada de Terry Terrence pelo telefone, aquilo a incomodou ainda mais.

- Está certa, Paige. Ele realmente não merecia isso – pausa. - Sei que está me entendendo – sua voz era insinuante, o que a tornava mais irritável.

Paige entendia muito bem o que ele dizia por entre as palavras e isso a magoava. A culpa não era somente dela. Ou era? Terry também traíra Michael.

Nunca deveria ter me deixado ir tão longe.

Era tarde demais.

E antes que Paige pudesse responder a Terry, alguém a chamou pela porta. Desligou o telefone e reconheceu a voz lhe dizia o nome. Era sua mãe, Marie.

- Entre – autorizou Paige.

Viu sua mãe sair da soleira da porta e sentar-se na beirada da cama, que ficava em frente a poltrona com mesinha de telefone, onde Paige estava.

Marie falou suavemente:

- Vamos ter uma conversa, Paige.

Paige respirou fundo. Algo lhe dizia que a conversa seria longa.



Michael inclinou levemente a coluna para trás, mirou em seu alvo e encheu-se de ar quando o taco golpeou a bolinha de golf que partiu desajeitada, passando longe de onde deveria cair.

O sol estava alto e já há muito incomodava. Podia sentir sua saliva raspar na garganta e então se dar conta que precisava de água.

Mais alguns segundos e teve a mão de Terry pousada em seu ombro esquerdo, confortando-o pelo insucesso de sua jogada magistral.

- Precisa de mais alguns treinos, Michael – e Terry estreitava os olhos como se o ajudasse a enxergar a minúscula bolinha amarela com pelinhos naquela imensidão verde musgo do gramado.

Michael não se importou com o que ouviu. Não era muito de esportes e só estava ali para acompanhar Terry, como já fizera vezes anteriores.

Terry olhou para o alto e instintivamente fechou os olhos quando a luz do sol lhe chocou o rosto. Voltou a olhar para Michael e então soube que estava na hora de ir. Ele não se dava muito bem ao sol, devido à cor esbranquiçada de sua pele, pelo Vitiligo.

- Acho que já deu por hoje – comentara Terry.

Michael assentiu com a mão no alto das sobrancelhas impedindo os raios dolorosos do sol nos olhos.

- Tem razão.

- Vamos beber alguma coisa.

Se serviram apenas de uma copo de suco de laranja na pequena lanchonete do clube de golf, já habituada a presença pop de Michael. E ele se sentia agradecido pela falta de assédio dos freqüentadores do local.

Terry observava a pele levemente abrasada de Michael, formando uma espécie de borboleta que vinham de seus malares até a ponta do nariz.

Deve ser pela ligeira exposição ao sol, especulava Terry se servindo de um pouco mais de suco.

Por sua vez, Michael reparara que seu amigo andava mais reservado por mais que se esforçasse para disfarçar. Ele o conhecia o suficiente para chegar a tal conclusão. Terry não falava mais de seu casamento ou de qualquer outra coisa que o fizesse lembrar dele especificamente.

- Michael, algum problema? – perguntou Terry, curioso.

Aquilo o pegou de surpresa. Michael sacudiu levemente a cabeça como se afastasse os pensamentos.

- Eu... eu acho que sim, Terry – ele foi incisivo.

Terry desviou os olhos para longe, permanecendo em silêncio por um momento. Depois, tomou mais um gole de suco, e então segredou:

- Grace me deixou – houve uma pausa. – Faz pouco mais de mês, mas ainda assim me sinto péssimo – a voz embargada.

Michael o estudou por um instante.

- Lamento, Terry. Vocês me pareciam muito bem.

- Somente na frente de amigos, meu caro. Mas deixe minhas desilusões de lado. Conte-me, e como estão as coisas com você?

Michael respirou fundo, expirando devagar logo após.

- Está tudo bem...

Não. Nada estava bem.

- ... tudo se normalizando gradualmente.

Mentira.

Mas Terry ainda tinha algo a dizer. Se inclinou sobre a mesa com uma expressão interessada. Mudou de assunto repentinamente:

- Sabe que estou de olho num acordo com aqueles japoneses há meses, e sinto que estou prestes a conseguir. Mas preciso impressioná-los dessa vez – os olhos dele tomaram um brilho incomum. -, algo de alto nível... – ele dizia com vigor, saboreando a palavra, a sensação – sofisticado. Talvez um grande jantar.

Michael riu logo após.

- Você não pode convencê-los a nada com um jantar, Terry.

- Mas é aí que você se engana, meu caro amigo.

A risada emudeceu gradualmente.

- O que está querendo dizer? – ainda havia um ligeiro tom de gozação. Um risinho escondido nos cantos dos lábios.

Terry sorriu.

- Tem que ser um lugar espaçoso... um lugar... – ele buscava as palavras. – um lugar diferente. Marcante. Inédito. Incomum. É... é isso.

O rosto de Terry desenhava um sorriso ambicioso, e Michael o conhecia muito bem. Ele o olhava com uma mescla curiosa e desconfiada, como se algo estivesse fora do lugar, mas ele quisesse saber o que era.

- É a sua casa – falou Terry, de repente. E fez uma pausa deixando seu amigo absorver a informação.

Michael ergueu uma sobrancelha.

- Ela é espaçosa, tem muitos empregados... bem localizada, bonita... tem também aquele Steinway empoeirado maravilhoso e poderíamos até contratar alguém para tocá-lo enquanto tudo acontece e...

- Minha casa, Terry? – ele deu ênfase ao “minha”, incrédulo com a situação. – Você escutou o que disse? – pausa. - Na minha casa é impossível, é... eu posso até alugar um salão para você, mas... – ele fitou Terry. – Você não está bem, vamos embora – e se levantou.

- Não Michael, espere. Por favor.

Michael parou um momento, e voltou a se sentar.

- Certo. Me convença então - e entrelaçou os dedos sobre a mesa, fitando Terry, sério.

E estava feito. Foram apenas 15 minutos.

- Eu lhe garanto, Michael – dizia Terry, sorrindo, enquanto iam embora. – Tudo ficará na mais perfeita ordem.

- Sei disso. Vai ter que ficar.

37 Re: [FINALIZADA] Lábios Vermelhos em Ter Dez 06 2011, 20:41

Cat Jackson

avatar
Fã Veterano
Fã Veterano
Ai, Jésussss... Esse Terry não me engana... Tadinha da Helene, torcendo por ela...
Continuaaaaaaaaaaaa

38 Re: [FINALIZADA] Lábios Vermelhos em Seg Dez 12 2011, 16:18

Mii

avatar
Fics
Fics
Meninas,

A nossa entrevistada da semana é a Cat Jackson!
Convido vocês a fazerem suas perguntas para a nossa autora!
Ela será entrevistada até o próximo sábado, dia 17/12.


_________________________
•Always Keep The Faith•

Michael • Marilyn Monroe • Ian Somerhalder
Sunshine, On In a Million

Let me stick my key in your ignition babe

39 Re: [FINALIZADA] Lábios Vermelhos em Sex Dez 16 2011, 11:57

lilianrocha

avatar
Fics
Fics
Galera!!

No fórum http://justinbieberptst.forumeiros.com/forum, uma garota de 14 anos, com o nick name de "Alyce Bieber" copiou todo o meu texto e de Miah franzói, "Suave Criminoso" e está colocando no forum, como sendo dela, e o que é pior, trocando apenas alguns personagens, como o Michael pelo Justin!!!

Gostaria de pedir a todas as minhas amigas escritoras, que entrassem nesse fórum e registrasse uma queixa, na parte de "assinalar uma queixa".no rodapé da página do fórum.

Eu já escrevi, até informando que o conto é registrado, mas gostaria de contar com o apoio de vcs, ok??

Obrigada!!!!

P.S. - Registrem seus textos!!!!


_________________________
You remember a one day....One day in your life!!!


Cumprimentos.net - faça uma montagem de foto

40 Re: [FINALIZADA] Lábios Vermelhos em Seg Dez 19 2011, 12:03

lilianrocha

avatar
Fics
Fics
REGISTRO DE FICS:

Galera,

Como estão me solicitando como registrar uma fic, seguem dois locais onde vcs podem estar registrando as fics, alguns locais tem custos, outros não, porém, o mais seguro é o do EDA - Escritório de Direitos Autorais, da Biblioteca do Rio de Janeiro, este é a nível nacional, e tem custos!!

1- Creative Commons, é um Site onde vcs podem estar registrando os textos, e no final, eles dão um tipo de certificado, em que vcs colocam nas assinaturas dos textos, como um exemplo, este registro aparece na assinatura da fic de Mii e Sunshine:

Soul Sister de Camila R. Bizachi e Thamires Oliveira foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não Comercial - Vedada a criação de obras Derivadas 3.0 Brasil.

Este é o endereço: http://www.creativecommons.org.br/



2- EDA - Escritório de Direitos Autorias da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro.

Site: http://www.bn.br



3- Escritórios de Registros de Marcas e Patentes de sua cidade.



Pois bem, escolham a melhor opção pra vcs e registrem as suas obras!!! Nós sabemos o quanto nos custa criar uma história, um poema, alguma coisa que seja, fruto de nossa criação e alguém simplesmente se apossar como dono!!!


_________________________
You remember a one day....One day in your life!!!


Cumprimentos.net - faça uma montagem de foto

41 Re: [FINALIZADA] Lábios Vermelhos em Seg Dez 19 2011, 12:03

lilianrocha

avatar
Fics
Fics
REGISTRO DE FICS:

Galera,

Como estão me solicitando como registrar uma fic, seguem dois locais onde vcs podem estar registrando as fics, alguns locais tem custos, outros não, porém, o mais seguro é o do EDA - Escritório de Direitos Autorais, da Biblioteca do Rio de Janeiro, este é a nível nacional, e tem custos!!

1- Creative Commons, é um Site onde vcs podem estar registrando os textos, e no final, eles dão um tipo de certificado, em que vcs colocam nas assinaturas dos textos, como um exemplo, este registro aparece na assinatura da fic de Mii e Sunshine:

Soul Sister de Camila R. Bizachi e Thamires Oliveira foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não Comercial - Vedada a criação de obras Derivadas 3.0 Brasil.

Este é o endereço: http://www.creativecommons.org.br/



2- EDA - Escritório de Direitos Autorias da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro.

Site: http://www.bn.br



3- Escritórios de Registros de Marcas e Patentes de sua cidade.



Pois bem, escolham a melhor opção pra vcs e registrem as suas obras!!! Nós sabemos o quanto nos custa criar uma história, um poema, alguma coisa que seja, fruto de nossa criação e alguém simplesmente se apossar como dono!!!


_________________________
You remember a one day....One day in your life!!!


Cumprimentos.net - faça uma montagem de foto

42 Re: [FINALIZADA] Lábios Vermelhos em Seg Dez 19 2011, 20:36

Mii

avatar
Fics
Fics
Meninas,

A nossa entrevistada do Café Literário é a Regina Jackson!
Façam suas perguntas para a nossa autora!
Ela será entrevistada até o próximo sábado, dia 24/12.



Clique
Café Literário


Att, Equipe Neverland


_________________________
•Always Keep The Faith•

Michael • Marilyn Monroe • Ian Somerhalder
Sunshine, On In a Million

Let me stick my key in your ignition babe

43 Re: [FINALIZADA] Lábios Vermelhos em Dom Dez 25 2011, 21:42

Mii

avatar
Fics
Fics
Meninas,

A nossa última entrevistada do ano é a Katiazmjj!
Convido vocês a fazerem suas perguntas para a nossa autora!
Ela será entrevistada até o próximo sábado, dia 31/12/2011 (último dia do ano \o/).



_________________________
•Always Keep The Faith•

Michael • Marilyn Monroe • Ian Somerhalder
Sunshine, On In a Million

Let me stick my key in your ignition babe

44 Re: [FINALIZADA] Lábios Vermelhos em Seg Dez 26 2011, 11:05

Mii

avatar
Fics
Fics
Minhas queridas leitoras e autoras,

Nos próximos dias não estarei no Fórum tão ativamente como tenho costume, porém entrarei todos os dias para tentar me atualizar e resolver as coisas por aqui, em alguns horários específicos. Vocês podem me procurar, sem problemas, talvez eu não às responda logo, mas responderei no mesmo dia. Se for algo muito urgente vocês podem procurar a Lilian.

Estou indo, hoje, viajar para o velho continente, passarei um mês por lá.
Gostaria já, de deixar aqui os meus votos a todas vocês de um Feliz Ano Novo! Que este ano possa ser repleto de coisas boas para todas nós. Amor, carinho, respeito, dedicação, enfim, que nós possamos nos unir e compartilhar mais e mais sonhos neste ano que está por vir!

Obrigada por todo o carinho de vocês para comigo!


Feliz 2012 pra vocês e todas as suas famílias!


_________________________
•Always Keep The Faith•

Michael • Marilyn Monroe • Ian Somerhalder
Sunshine, On In a Million

Let me stick my key in your ignition babe

45 Re: [FINALIZADA] Lábios Vermelhos em Seg Jan 02 2012, 07:42

lilianrocha

avatar
Fics
Fics
Meninas,

Nossa entrevistada da semana continuara sendo a Katia.
Imaginamos que foi uma semana corrida para todas, então por este motivo ela continuara sendo a entrevistada até o próximo domingo.


_________________________
You remember a one day....One day in your life!!!


Cumprimentos.net - faça uma montagem de foto

46 Re: [FINALIZADA] Lábios Vermelhos em Qui Jan 05 2012, 10:52

lilianrocha

avatar
Fics
Fics
DEVIDO ÁS FESTAS DE FINAL DE ANO, MUDAMOS NOVAMENTE O PERÍODO DO CONCURSO DAS FICS, PARTICIPEM!!!
REGULAMENTO:

- Cada escritora participará com uma fanfiction pequena (máximo de 02 folhas de word, Fonte Arial 12) contendo essas palavras-chaves no texto da Fic: NEVERLAND-AMOR-PAZ-CRIANÇAS-TERRA.

- As escritoras terão do dia 01/01/2012 ao dia 03/02/2012para mandarem suas fics.

- Do dia 04/02 à 06/02/2012, as moderadoras Lílian e Mii e a Administração (Felícia) de Neverland escolherão 10 fanfictions que serão votadas no período abaixo:

- De 07/02 à 10/02/2012- Serão votadas as 10 fanfictions escolhidas pela moderação das fics e ADM, por todos os membros do fórum, da seção de fics e das outras seções.

- Resultado - 13/02/2012- As 5 (cinco) fics mais votadas, ganharão os seguintes prêmios:

Do 2º ao 5º lugar, um Certificado, produzido pela equipe de designers do fórum, contendo o nome da escritora e o lugar em que ficou a Fic.

1º lugar - Um prêmio surpresa e o mesmo Certificado.

- Haverá um tópico específico para o concurso e as participantes, deverão iniciar suas fics com seu nome real, nick name de Neverland, idade e cidade onde mora.

- É vetada a participação da moderação das fics e administração do fórum, por serem da comissão julgadora.

PARTICIPEM!!!!!!!!


_________________________
You remember a one day....One day in your life!!!


Cumprimentos.net - faça uma montagem de foto

47 Re: [FINALIZADA] Lábios Vermelhos em Dom Jan 08 2012, 14:20

lilianrocha

avatar
Fics
Fics
Meninas,

Nossa entrevistada dessa semana será a What More Can I Give (Juliana).
Vocês poderão fazer suas perguntas até dia 14/01, próximo sábado.


Ficha técnica da autora:

*Barriga de Aluguel - em andamento


_________________________
You remember a one day....One day in your life!!!


Cumprimentos.net - faça uma montagem de foto

48 Re: [FINALIZADA] Lábios Vermelhos em Seg Jan 23 2012, 08:14

Mii

avatar
Fics
Fics
Meninas,

A nossa entrevistada do Café Literário é a Náah Dangerous!
Façam suas perguntas para a nossa autora!
Ela será entrevistada até o próximo sábado, dia 28/01.



Clique
Café Literário

Att, Equipe Neverland


_________________________
•Always Keep The Faith•

Michael • Marilyn Monroe • Ian Somerhalder
Sunshine, On In a Million

Let me stick my key in your ignition babe

49 Re: [FINALIZADA] Lábios Vermelhos em Seg Fev 06 2012, 12:58

Mii

avatar
Fics
Fics
Meninas, você já viram o novo Concurso das Fan Fictions?



Inscreva a sua história, se você ainda está com ela em andamento e conseguir terminá-la até o dia 20/02 poderá participar também!

Não fique de fora!


_________________________
•Always Keep The Faith•

Michael • Marilyn Monroe • Ian Somerhalder
Sunshine, On In a Million

Let me stick my key in your ignition babe

50 Re: [FINALIZADA] Lábios Vermelhos em Ter Fev 14 2012, 15:11

lilianrocha

avatar
Fics
Fics
Galera!!!!

A nossa entrevistada da semana, é a nossa Moderadora MII!!!

Mandem suas perguntas a ela até o dia 25/02 (ampliamos o prazo devido ao período de carnaval)

Boa entrevista Mii e parabéns!!!

Ficha técnica da autora:

- Soul sister


_________________________
You remember a one day....One day in your life!!!


Cumprimentos.net - faça uma montagem de foto

51 Re: [FINALIZADA] Lábios Vermelhos em Ter Fev 28 2012, 09:35

Mii

avatar
Fics
Fics
INSCRIÇÕES PRORROGADAS!





_________________________
•Always Keep The Faith•

Michael • Marilyn Monroe • Ian Somerhalder
Sunshine, On In a Million

Let me stick my key in your ignition babe

52 Re: [FINALIZADA] Lábios Vermelhos em Ter Mar 06 2012, 14:43

Mii

avatar
Fics
Fics
Comunicado!

Não esqueçam que essa semana acaba o prazo para as inscrições das Fan Fictions finalizadas no nosso Concurso!
Quem está finalizando a sua e quiser participar tem até o dia 10/03 para se inscrever e finalizar a história.

Atenção: só poderão participar Fics finalizadas dentro do prazo ou que estejam finalizadas a mais tempo!


_________________________
•Always Keep The Faith•

Michael • Marilyn Monroe • Ian Somerhalder
Sunshine, On In a Million

Let me stick my key in your ignition babe

53 Re: [FINALIZADA] Lábios Vermelhos em Sab Set 08 2012, 18:38

Drih Jackson

avatar
Fics
Fics
COMUNICADO!



Fanfiction reaberta !

Att, Equipe Neverland


_________________________
Exercito M.J
http://www.facebook.com/mjm

Conteúdo patrocinado


Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 2 de 5]

Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5  Seguinte

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum